Homepage

Historial do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche

 

Desde 1954 que o Pároco de Peniche, Padre Manuel Bastos Rodrigues de Sousa, sensibilizava os paroquianos e a população em geral para a necessidade de ser construído em Peniche um moderno e bem apetrechado centro de educação e assistência social.

Assim, em 1956, foram inauguradas as instalações do Centro Paroquial de Educação e Assistência, num edifício antigo na Rua D. Luís de Ataíde, que mais tarde veio a designar-se Clube Stella Maris de Peniche. Foi neste edifício que, além da biblioteca, salão de festas e sala de recreio, se desenvolveram diversas tarefas de assistência.

Em 1958, e depois de, em 3 de Setembro, terem sido inaugurados naquele Centro, a Cantina com cozinha e refeitório que fornecia o leite de manhã e o almoço para os mais carenciados, com a finalidade quase conseguida na totalidade de acabar com o triste espectáculo da mendicidade na então Vila de Peniche, chegou quase a atingir 1500 utentes nos períodos de maior crise na pesca.

A 8 de Dezembro do mesmo ano foram inauguradas as primeiras instalações do Lar de Santa Maria, numa dependência da Igreja matriz de Nossa Senhora da Ajuda, onde foram internados os primeiros idosos. Cedo se verificou serem insuficientes as instalações, e em 15 de Agosto de 1960, foram inauguradas novos apartamentos, numa casa alugada no Bairro do Senhor do Calvário, onde tiveram acolhimento mais algumas dezenas de idosos de ambos os sexos. Em 1967, o Lar de santa Maria foi novamente transferido para as casas do Santuário de Nossa Senhora dos Remédios, mas agora na esperança da construção das novas instalações, com projecto previamente elaborado para o efeito pelo Arquitecto João Braula Reis e a comparticipação financeira significativa da Fundação Calouste Gulbenkian.

Em Novembro de 1972 foram inauguradas as novas e actuais instalações do Lar de Santa Maria acolhendo idosos deficientes físicos e mentais e ainda crianças sem cobertura familiar e pobres sem possibilidades de alimentação em suas casas.

As respostas sociais na área da Educação de Infância surgiram no ano de 1963 com a abertura de um Jardim de Infância nas instalações do Clube Stella Maris na Rua D. Luís de Ataíde onde já se acompanhavam mais de 50 crianças. Em 1973 esta valência foi transferida para as actuais instalações, junto ao Lar de Santa Maria, funcionando atualmente como Jardim-de-Infância de Santa Maria, com capacidade para 80 crianças e contando com a colaboração de sete funcionárias e quatro Educadoras de Infância.

Em Novembro de 1978 o Centro Paroquial e Assistência de Peniche tomou a seu encargo a Creche e o Jardim de Infância do Bairro da Fonte Boa que até então esteve sob tutela da Santa Casa da Misericórdia de Peniche. Esta valência foi também transferida em 10 de Fevereiro de 1983 para o Bairro Peniche III sob o nome de Centro Social João Paulo II, onde ainda funciona hoje, apenas com a valência de pré-escolar, designado Jardim-de-Infância João Paulo II. Presentemente possui capacidade para 40 crianças e conta com o trabalho de três funcionárias e uma Educadora de Infância.

A 19/03/1984 o Centro Paroquial de Educação e Assistência de Peniche mudou de nome para Centro Social Paroquial de Peniche, por sugestão do Patriarcado de Lisboa que pretendeu uniformizar a nomenclatura dos vários centros sociais da diocese, continuando a desempenhar as mesmas funções sociais.

A 15/10/1999 dá-se novamente a alteração do nome de Centro Social Paroquial de Peniche para Centro Solidariedade e Cultura de Peniche, nome que actualmente mantém.

A 28 de Dezembro de 2000 dá-se o início de actividade do Centro de Acolhimento “Aconchego”, que oficialmente foi inaugurado no dia 11 de Janeiro de 2001 e surge integrada no Projecto “Operação Arco – Íris”.

Em Outubro de 2001 o Centro Solidariedade e Cultura de Peniche abre mais uma Creche, a “Creche de Sant´Ana/ São Joaquim”.

Em Janeiro de 2010 inaugurou-se a Creche de Santa Maria, frente às actuais instalações do Lar de Santa Maria e do Jardim-de-Infância de Santa Maria.